quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

"Empírico"



Bebo o sumo desta vida
quando o proibido encanta
e decanta as latitudes do meu ser.
Pago para ver lampejos d'alma
com toda a calma de qualquer poeta
e toda a chama de qualquer prazer.

Desejo o beijo de um instante
cuja paz me arroube o peito
e a dúvida me seja melindrosa.
Forçosa mentira de encarar a vida
com signos ilusórios e desamparo dos dias
além do abraço orvalhado das noites...

Bebo o sumo da existência,
provo a essência de viver...
Quero saber dos teus segredos,
quero provar teus desafetos,
anseio por todo e qualquer signo...

Não temo: a dúvida perfaz
o equilíbrio entre o espaço e o tempo.
Confiante, melindro o meu viver
com a chama de qualquer poeta
e a calma de qualquer prazer...




(Do compêndio "Goiabada Démodé" - poemas inéditos.)

Nenhum comentário: